OPERAÇÃO

O METRÔ EM OPERAÇÃO

O Metrô de São Paulo transporta diariamente cerca de 3,7 milhões de pessoas, de acordo com média de dias úteis de 2019, antes da pandemia. O CCO – Centro de Controle Operacional – monitora e regula toda movimentação do sistema. De lá pessoas e modernos computadores controlam o desempenho e o intervalo entre os trens, a energia elétrica do sistema e supervisionam todas as estações e equipamentos da rede efetuando os ajustes quando necessário. Qualquer eventualidade é informada por um sistema de rádio e telefonia que liga o CCO ao pessoal das estações, às cabines dos trens e às torres de controle dos pátios.

Toda madrugada, o CCO autoriza o início da operação comercial, é o sinal para abertura das estações para os passageiros As torres de controle dos pátios de estacionamentos de trens do Jabaquara (Linha 1-Azul) , Tamanduateí (Linha 2-Verde) , Itaquera (Linha 3-Vermelha) e Oratório ( Linha 15-Prata) definem os trens que serão despachados, obedecendo a uma escala de horários e os operadores de trem assumem seus postos. Os trens são conduzidos por um processo totalmente automatizado, que os ingleses chamam de ATO (Operação Automática dos Trens). Neste modo de operação, a movimentação dos trens é totalmente planejada e controlada pelos computadores.

O treinamento e a experiência do operador de trem são essenciais para a segurança do sistema principalmente em situação de anormalidade como a presença de um obstáculo na via ou casos de passageiros ou objetos presos nas portas dos trens.

Os equipamentos controlam a velocidade, mantendo a distância mínima entre os trens. Se ultrapassar o limite da velocidade permitida, sua frenagem é automaticamente acionada.