ARQUITETURA - LINHA 2-VERDE

A ARQUITETURA DA LINHA 2-VERDE

REVENDO CONCEITOS

Tendo como parte de seu trajeto a Av. Paulista, os conceitos de intervenções praticadas pelo Metrô procuraram reduzir os transtornos ao trânsito local e à circulação de pedestres, bem como impactos ambientais e urbanísticos provocados pelas desapropriações na região de maior valor imobiliário da cidade.

Dentro desse contexto, a arquitetura foi o elemento catalisador para a materialização dos novos conceitos e aplicação de novas tecnologias construtivas utilizadas na Linha 2-Verde.

Destacamos as estações Trianon-Masp e Brigadeiro, nas quais a implantação de dois mezaninos proporcionou maior acessibilidade às estações com significativa redução do volume de escavações.

Estação Consolação Estação Consolação.


MÉTODOS CONSTRUTIVOS

Foram três os métodos construtivos empregados nas estações da Linha 2-Verde:

  • 1

    vala a céu aberto(VCA) ou trincheira

  • 2

    NATM ou túnel mineiro

  • 3

    enfilagem



OS CONCEITOS

Os projetos desenvolvidos buscaram adequar as soluções estéticas e formais aos métodos construtivos utilizados, criando espaços funcionais e de grande beleza plástica.

A adoção de grandes aberturas desde a superfície e a instalação de grelhas nos passeios, possibilitaram a simplificar o sistema de ventilação com a eliminação das torres de ventilação, características da Linha 1-Azul.

PARTIDOS ARQUITETÔNICOS

Mezaninos e Enfilagens

A utilização de enfilagens, executadas a partir de vala situada no passeio, permitiu a abertura de grandes vãos sob a Avenida Paulista onde foram locadas as bilheterias e as linhas de bloqueio, definindo a organização do espaço e a distribuição do fluxo de usuários.

Enfilagem Enfilagem.

Materiais e Espaços

Visando tornar mais agradáveis os espaços das estações subterrâneas, na Linha 2-Verde, adotou-se como partido o emprego de materiais de acabamento e comunicação visual integrados às formas definidas pelos métodos construtivos.

A partir dessa concepção, foram realizados estudos cromáticos, de forma a se tirar partido das cores de pisos, revestimentos e forros como elementos identificadores das estações.

Empregou-se, assim, acabamento cerâmico colorido sobre o concreto, quebrando a hegemonia da cor cinza nas estações. Também os forros das estações ganharam várias tonalidades, alternadas entre cores quentes e frias.

Diferentemente da Linha 1-Azul, os pisos de granito aplicados na Linha 2-Verde caracterizam-se pela utilização de tons variados para cada Estação, resultando na individualização e valorização dos espaços projetados.

No projeto de iluminação, foram adotadas diferentes faixas de intensidade de luz, buscando a valorização das formas estruturais e elementos arquitetônicos, sem prejuízo das condicionantes segurança e conforto, sempre presentes nas edificações do sistema metroviário.

A instalação de obras de arte com características permanentes valorizou o ambiente interno de cada Estação, concorrendo ainda para o enriquecimento cultural dos usuários do Metrô.

Estação Trianon-Masp Estação Trianon-Masp.

Estação Trianon-Masp Estação Trianon-Masp.