PROCESSO DE PLANEJAMENTO E PREPARAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DA PESQUISA Origem e Destino

A Pesquisa Domiciliar começa com a definição das “zonas Origem e Destino”, áreas com condições urbanas similares que serão a base para o dimensionamento da amostra a ser pesquisada e das informações que serão coletadas.¹⁸

Zoneamento da Pesquisa Origem e Destino 2017

Os critérios para definição do zoneamento de 2017 foram os seguintes: área compatível com o zoneamento da Pesquisa Origem e Destino 2007; compatível com os limites de municípios e distritos no Município de São Paulo; levando em conta os limites dos setores censitários do IBGE.

Foram ainda considerados no zoneamento o sistema de transporte, os equipamentos urbanos, as barreiras físicas, as áreas vazias, o crescimento de áreas urbanizadas, novos equipamentos urbanos e de transporte em planejamento ou projeto.¹⁹

Depois do zoneamento, é definido o tamanho da amostra que, para 2017, foi dimensionada em 32 mil domicílios.²⁰

Com a amostra definida para cada zona Origem e Destino, processa-se o sorteio aleatório de endereços, captados do Cadastro Nacional de Endereços para Fins Estatísticos – CNEFE do IBGE, a partir do Censo de 2010.²¹

Evolução das principais variáveis de planejamento da Pesquisa Origem e Destino


ANO Municípios na área de pesquisa Número de zonas Amostra de domicílios
1967 15 206 20 mil
1977 27 243 29 mil
1987 39 254 26 mil
1997 39 254 24 mil
2007 39 460 30 mil
2017 39 517 32 mil


Para a Pesquisa na Linha de Contorno, é criada uma linha imaginária (linha de contorno) que circunda os limites da RMSP. Nesta linha são identificados pontos nas rodovias de acesso onde ocorrerão os levantamentos de campo da pesquisa.²²

Os veículos são parados por policiais rodoviários em postos identificados, garantindo a segurança dos viajantes. Nestes postos são feitas:

  • Contagens de veículos que entram e saem da região – autos, motos, ônibus, caminhões;
  • Entrevistas com ocupantes desses veículos.²³

Pesquisa rodoviária

Pesquisas complementares levantam dados de outras viagens externas: são entrevistados viajantes e acompanhantes nos aeroportos, viajantes nos terminais rodoviários e ônibus fretados vindos de fora da RMSP.

Há várias pesquisas em rodovias, destinadas a conhecer os volumes e os fluxos de viagens em trechos específicos. Estas visam somente dados localizados e não estão, como a Pesquisa na Linha de Contorno da Origem e Destino 2017, combinadas com levantamentos das viagens internas a uma região.



¹⁸A zona Origem e Destino é a menor unidade geográfica a partir da qual existe representatividade estatística dos dados.
¹⁹A quantidade de zonas Origem e Destino se modifica à medida que se modificam as condições urbanas e, em consequência, o peso dos critérios para sua definição.
²⁰Em cada domicílio deverão ser entrevistados todos os moradores, o que resultou no total de aproximadamente 100 mil entrevistas na edição da Origem e Destino de 2017.
²¹O georreferenciamento de endereços atribuirá coordenadas (x, y) que permitem localizar espacialmente os endereços de origem e destino de viagens, de residência e de trabalho.
²²Na Pesquisa Origem e Destino 2017, foram identificados 21 postos de pesquisa em 21 rodovias de acesso.
²³Os dados vão revelar o volume de veículos entrando e saindo da RMSP ou que a atravessam, e as origens, destinos e motivos das viagens dos ocupantes desses veículos, completando, junto com as pesquisas em terminais, fretados e aeroportos, o padrão de deslocamentos em toda a região.

Quem é pesquisado