NOTÍCIAS

Governador Geraldo Alckmin inicia 2ª fase da Linha 4-Amarela

Neste sábado (24/3), o governador Geraldo Alckmin, acompanhado do secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e do presidente do Metrô, Sérgio Avelleda, autorizou a Companhia a dar início às obras da segunda fase da Linha 4-Amarela.
 
Essa etapa abrange inicialmente a construção de novos acessos, acabamento de obras civis e instalação de equipamentos em mais quatro estações: São Paulo-Morumbi, Fradique Coutinho, Oscar Freire e Higienópolis-Mackenzie.
 
Para concluir a segunda fase da Linha 4-Amarela será necessário também a construção de trecho em túnel de cerca de 1,5 km para acesso à estação Vila Sônia e a construção da própria estação Vila Sônia e de terminal de ônibus no local. Uma segunda licitação foi realizada para essa finalidade. Já para a implantação de sistemas operacionais nas novas estações e no trecho complementar está prevista licitação específica.
 
O investimento total para a conclusão da Linha 4-Amarela, considerando as duas licitações já realizadas mais a parte de sistemas, será de R$ 1,8 bilhão. Assim, o investimento total na Linha 4-Amarela será de R$ 5,6 bilhões, incluindo R$ 1,8 bilhão da segunda etapa.
 
A segunda fase, com as cinco estações, tem previsão de entrega para 2014. Durante a execução da obra deverão ser promovidos cerca de 1.000 empregos diretos e 3.000 indiretos. A linha terá 12,8 km de extensão e 11 estações. Com a conclusão da segunda fase, a demanda da Linha 4-Amarela é estimada em cerca de 1 milhão de passageiros/dia.
 
Paralelamente ao andamento da segunda fase, o Metrô agiliza a contratação dos projetos funcional e básico da terceira fase da Linha 4-Amarela, que vai estender o percurso, da estação Vila Sônia até o município de Taboão da Serra, com aproximadamente mais três quilômetros de extensão.
 

Quatro novas estações

As novas estações da Linha 4-Amarela terão arquitetura com cores atraentes, contarão com bilheterias blindadas, piso tátil, elevadores especiais e escadas rolantes “inteligentes”, que funcionam com velocidade reduzida quando não há usuários sobre elas, de forma a economizar energia. O acabamento será realizado com cerâmicas esmaltadas, nas cores areia, azul e avermelhada, com detalhes em aço inox.

Especificamente, a estação Fradique Coutinho tem uma área construída de pouco mais de nove mil metros quadrados e sua demanda diária prevista é de 14 mil pessoas.


Próximos investimentos

A Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos (STM) avança atualmente com um plano para acelerar a ampliação e modernização da rede de linhas de metrô, trens e ônibus metropolitanos. Hoje, São Paulo conta com uma malha metroferroviária de 335 quilômetros de extensão (74,3 de linhas metroviárias, 65,3 km a cargo da Companhia do Metrô e 9 km com operação e manutenção sob a responsabilidade da concessionária privada ViaQuatro, e 260,7 km da CPTM).  

Para expandir a rede de transporte metropolitano de passageiros, a STM realiza dois grandes empreendimentos no Metrô (prolongamento da Linha 5-Lilás, entre Largo Treze em Santo Amaro e Chácara Klabin, e o monotrilho da extensão da Linha 2-Verde, entre Vila Prudente e Cidade Tiradentes, na zona leste), que estão em obras ao mesmo tempo. O contrato da Linha 17-Ouro (ligação da rede metroferroviária com o aeroporto de Congonhas) já foi assinado e, em breve, as obras terão início. Segundo o Plano de Investimentos da STM, os recursos financeiros necessários para o período de 2011 a 2014 serão de R$ 26,2 bilhões.

Além das obras civis, o Metrô contratou a aquisição do sistema de sinalização e controle de tráfego de trens CBTC (controle de trens baseado em comunicação), para as linhas 2-Verde (já em testes), 1-Azul e 3-Vermelha, que vai possibilitar a redução da distância entre os trens em circulação, permitindo menores intervalos, maior segurança e menor tempo de espera para o usuário na plataforma. O novo sistema vai proporcionar um aumento de 20% na capacidade de transporte, oferecendo um aumento significativo no número de viagens e mais conforto aos passageiros.

Até 2014, o Metrô de São Paulo deverá ultrapassar 100 km de extensão, que somados aos futuros 300 km de linhas da CPTM resultarão em uma rede metroferroviária de aproximadamente 400 km, com maiores opções de conexões entre as linhas e novos trajetos à disposição da população.


COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO-METRÔ