NOTÍCIAS

23/01/2018 - Estação Higienópolis-Mackenzie é aberta nesta terça-feira (23)

Nesta terça-feira (23/01), São Paulo ganhou a 72ª estação de metrô. A estação Higienópolis-Mackenzie faz parte da Linha 4-Amarela e vai funcionar inicialmente de segunda a domingo das 10h00 à 15h00, com cobrança de tarifa.

Esse formato é chamado de Operação Comercial Restrita e consiste na maturação dos equipamentos e sistemas, como os de alimentação elétrica, sinalização e telecomunicações, permitindo o aperfeiçoamento dos métodos de operação da estação. Esta fase deve durar até o dia 03/02, quando o funcionamento da estação será ampliado, operando de domingo à sexta das 4h40 à 0h00, e aos sábados das 4h40 à 1h00, como nas demais estações da rede.

Construída pelo Metrô de São Paulo, a Higienópolis-Mackenzie é a oitava estação em funcionamento da Linha 4-Amarela, operada pela concessionária ViaQuatro. Com a estimativa de receber 42 mil pessoas diariamente, ela não irá alterar a extensão da rede metroviária da capital paulista, de 80,4 km, já que fica no trecho intermediário entre as estações República e Paulista, ambas em operação.

Uma nova estação na região central

A mais nova estação da região central de São Paulo facilitará o acesso para quem vai à Rua da Consolação e locais como o Tribunal Regional do Trabalho, Mackenzie, Centro Universitário Maria Antonia (USP), PUC-Campus Consolação, Sesc Consolação, Shopping Frei Caneca, Praça Roosevelt e Cemitério da Consolação. Serão dois acessos: Mackenzie, na esquina das ruas da Consolação e Piauí; e Ouro Preto, que fica no lado oposto da Rua da Consolação, quase na esquina com a Rua Visconde de Ouro Preto.

A estação é totalmente acessível aos usuários com deficiência e mobilidade reduzida. Os pavimentos contam com cinco elevadores que fazem a interligação da rua com o mezanino e com as plataformas, além de 26 escadas rolantes e 13 fixas. Também foram instalados outros equipamentos que facilitam a acessibilidade, como piso podotátil direcional, corrimãos e fita antiderrapante nos degraus das escadas fixas.

O acabamento da estação foi feito seguindo o padrão arquitetônico adotado nas demais paradas da Linha 4-Amarela. Nos acessos e plataformas há revestimento nas paredes com cerâmicas esmaltadas utilizando algumas tonalidades diferentes das cores verde e cinza, como menta e jade, e também grafite e petróleo. No mezanino o guarda-corpo foi feito com a utilização de vidro, conferindo um layout mais leve à estação.

Com 25 metros de profundidade, a construção da estação foi feita por diferentes formas construtivas. O corpo foi feito através de uma tuneladora Shield (conhecida como tatuzão) que construiu os túneis da linha e complementado pelo método NATM (túnel mineiro). Ao todo, foram escavados mais de 6 mil m³. Ao todo, são 12 mil m² de área construída, com o uso de 4,5 mil m³ de concreto que compreende todo o corpo da estação, com as duas plataformas laterais, mezanino, dois acessos externos e um edifício anexo de seis andares que abrigará as salas técnicas operacionais.

Linha 4-Amarela

Projetada para ser implantada em diferentes fases, a Linha 4-Amarela está em operação desde 2010 e desde então já transportou 1,2 bilhão de pessoas. A linha, que é construída pelo Metrô de São Paulo e é administrada e operada pela concessionária ViaQuatro, atualmente funciona de Luz a Butantã, com 8,9 km e sete estações, permitindo a conexão com seis linhas da rede sobre trilhos de São Paulo, em quatro estações diferentes. Por ela passam em média 730 mil pessoas por dia útil.

A segunda fase de implantação da linha consiste na construção das estações Fradique Coutinho (aberta em 2014), Higienópolis-Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo-Morumbi e Vila Sônia, além do terminal de ônibus Vila Sônia, um túnel de 1,5 km para chegada a esta última estação, complementação do Pátio de Manutenção da Vila Sônia e também a compra e instalação das portas de plataforma, e dos sistemas de alimentação elétrica, auxiliares e de telecomunicações. Toda esta etapa tem o valor orçado em R$ 1,9 bilhão.

As obras desta fase prosseguem e a estação Oscar Freire tem a meta de conclusão em março de 2018. Em seguida, no mês de julho, deve ser concluída a estação São Paulo-Morumbi. A estação Vila Sônia, a última desta etapa, deve ser finalizada em dezembro de 2019.



COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO-METRÔ